quarta-feira, 6 de maio de 2009

"A melhor maneira de ser livre é ser culto"

Político, jornalista, poeta e filósofo cubano, José Martí nasceu em Havana em 1853. Nasceu em um país ainda colonizado pela Espanha, viveu para destruir os laços de exploração que ligavam os dois países, e morreu em 1895 sem ver a Independência realizada. Mesmo assim, até hoje as crianças cubanas são ensinadas a amá-lo e admirá-lo por sua atuação pró-independência.


Depois de ser deportado da ilha, em 1879, deu início a uma longa e fecunda carreira como jornalista nos Estados Unidos. Da terra dos yankees, escreve, organiza, milita pelo fim do domínio colonial espanhol sobre Cuba. Sua atuação ganhou visibilidade internacional, incomodou muitos e ganhou adeptos. Entre estes últimos estariam os próprios norte-americanos, que irão auxiliar os cubanos na luta contra a Espanha. As guerras de independência só se encerrariam em 1898, através da assinatura do Tratado de Paris. Logo em seguida, os EUA criariam um governo militar na Ilha, episódio que constitui mais um capítulo do imperialismo norte-americano sobre a América Latina.

A continuação dessa história, para nós, é conhecer um pouco da cidade de Guantánamo, cuja mulher típica - a Guantanamera - virou música e símbolo da Ilha, governada hoje em dia por Raúl Castro, irmão de Fidel. O poema que serviu de inspiração para a canção foi Versos Sencillos, escrito por José Martí e publicado em 1892. Mais importante para nós, ainda, é lembrar que Guantánamo é também a cidade que abriga a base militar à qual Obama se refere em discurso durante campanha eleitoral, assistido no blog do Azenha.

Qual a sua opinião a respeito da trajetória de José Martí? Como você encara a intervenção norte-americana nos assuntos cubanos? Comente!

No vídeo, Compay Segundo e cia., do Buena Vista Social Club, sorrindo e celebrando a "cubanidade"...



Problemas para assistir ao vídeo? Clique aqui.

44 comentários:

  1. Gabriela nº9 (9A)07/05/2009 12:08

    Cuba era colonia da Espanha, porém queria ser independente, e acabou gerando uma guerra. Os norte-americanos que eram a favor da guerra ajudariam os cubanos, e em troca implementariam um governo militar em cuba e assim protegeriam os interesses econômicos dos Estados Unidos. José Martí foi de grande papel para essa independencia pois queria muito fazer com que seu país deixasse de ser dependente da Espanha, e apesar de não estar vivo para ver sua vitória, seu nome ficou marcado.
    Acho que a interveção norte americana foi um modo dos EUA se aproveitarem de Cuba pois deixariam de ser colonia da Espanha porém teriam que se 'entregar' para os EUA, que acabou lucrando mais do que todos com o acordo.

    ResponderExcluir
  2. A Gabi compreendeu o texto e se posicionou quanto à política norte-americana. Essa é a ideia!
    Mas não se esqueçam de comentar algo sobre a vida de Martí. Vale a pena doar a vida por uma causa ou um ideal? E se o ideal não se realizar, como no caso do cubano, que não viveu para ver a Ilha livre da Espanha? E se ele estivesse vivo para ver a (in)dependência de Cuba, será que aprovaria os rumos tomados pelo país em que nasceu?

    Pensando... pensando...

    ResponderExcluir
  3. Camila e Nonoano

    Dei uma olhada rápida e adorei a iniciativa e a participação de vocês. Artigos e blogs da melhor qualidade estão sendo analisados, aliás, blogs que leio diariamente.
    É isso aí, moçada, leitura e espírito crítico não fazem mal a ninguém, já dizia Jorge Ben... e minha avó!

    Beijos,
    Maria Elisa

    ResponderExcluir
  4. E vejam que não é só o Idelber que invade o nosso blog...

    ResponderExcluir
  5. Fê Nahas - 9A09/05/2009 23:23

    José Martí, desde jovem tinha ideias anticolonialistas, e dedicou sua vida a um ideal: ver sua pátria, Cuba, independente da Espanha. Mesmo preso e deportado para terras espanholas, não se deixou abater. Continuou a sua luta, mas morreu antes de ver seu ideal transformado em realidade.
    Sua morte também fez com que ele não visse a nova dependência de seu país, desta vez a econômica. Os Estados Unidos ajudaram na independência de Cuba por interesses, pois começaram a criar propostas econômicas que beneficiavam apenas a eles; por exemplo, todos os produtos que Cuba produzia eram exportados a preços baixíssimos apenas para os EUA, que os revendiam por preços maiores. Não há dúvida que os EUA só ajudaram Cuba na sua luta pela independência para atingir seus objetivos, isto é, explorar economicamente o país.
    Martí nos dá um exemplo de vida, lutando até o fim por um ideal. Certamente, se estivesse vivo após a independência de seu país, não aceitaria a dependência econômica de Cuba em relação aos EUA e iniciaria uma nova luta para uma nova independência de sua pátria. Não é a toa que até cubanos o respeitam e admiram sua memória.

    ResponderExcluir
  6. É Fê...Não é fácil ser colônia...
    Não seria o mesmo que ocorreu com o Brasil?

    ResponderExcluir
  7. Fê Nahas - 9A10/05/2009 21:05

    É Cami...fui pesquisar e vi que o Brasil depois da independência foi explorado pela Inglaterra. Nosso mercado ficou cheio de produtos ingleses e isso impediu o nosso desenvolvimento industrial.

    ResponderExcluir
  8. PESSOAL DO NONOANO...
    Achei o máximo esse blog de vcs!!!
    To acompanhando e gostando de ver!!!
    Camila, está sensacional!!
    Kathia Coutinho

    ResponderExcluir
  9. É isso aí, Fê. O Brasil (tanto quanto Cuba) se independe politicamente de Portugal, mas entra na órbita da dependência enconômica inglesa. O mesmo ocorre com Cuba e boa parte da América Central, mas o novo "colonizador" passa a ser os EUA.
    (A Kathia também gostou do nosso trabalho. Mais uma aliada!!!)

    ResponderExcluir
  10. Na minha opinião, a intervenção norte-americana, através do bloqueio econômico exercido sobre Cuba, é uma forma desproporcional de punição a não concordância de como é governada a ilha, seja pelo seu aspecto político ou econômico – socialista.
    É desproporcional, porque deveria ser respeitada a autonomia de Cuba, como país independente, apesar de que em minha opinião, existe um componente de caráter não democrático no exercício contínuo do poder de um mesmo líder.
    José Martí deixou sua marca em Cuba, os cubanos idolatram-no. Ele, ajudou muito na guerra de seu país contra a Espanha, lutando pela independência da ilha. Na minha opinião, se José Martí fosse um dos brasileiros responsáveis pela independência do Brasil, eu o idolatraria assim como os cubanos o fazem, a partir do momento que, para mim, independência é algo precioso ,algo que todos possuem o direito de tê-la , não só as nações, como também os indivíduos.

    ResponderExcluir
  11. Nao e atoa que Martí e ainda respeitado por todos em Cuba porque mesmo depois de deportado continuou lutando por seu ideal e pelo seu sonho e de seu pais.
    Na minha opniao os EUA so ajudou Cuba pois tinham varios interesses economicos por tras de tudo afinal como disse a Gabi ele foi o país que mais saiu lucrando.

    ResponderExcluir
  12. Júlia Zimmerman n17 9A12/05/2009 22:43

    Primeiramente, acredito que os cubanos tem todo o mérito dos atos de José Martí e estão com razão de adorá-lo até hoje, pois qualquer um que ama sua pátria entende o tamanho deste gesto de se doar por um ideal, e lutar por ele até o fim, superando até mesmo fato de ter sido deportado, enfrentando barreiras para o bem que não se limitava a ele, e sim a uma nação. É um belo exemplo, talvez que faça muitos refletirem quando (hoje) partimos automaticamente do ponto de vista individualista, egoísta, muitas vezes.
    Em relação a intervenção americana nos assuntos cubanos, já era de se esperar, acredito que mais que outro país(ao meu ver) os Estados Unidos se preocupa com o seu nome, seu poder, sua gente e muitas vezes ao exercer isso deixa de lado muitos valores(na verdade, isso não se limita aos EUA), e quando ele ajuda Cuba na luta contra Espanha há uma segunda intenção embutida (interesses de exploração) . Pois logo em seguida, os EUA criariam um governo militar na Ilha. O que como foi dito constitui mais um capítulo do imperialismo norte-americano.
    E a impressão que tenho é de que a gente sempre pretende ver o lado positivo, porém cada vez menos isso é impossível, o mundo nos rodeia de segundas intenções, interesses privados, que se limitam a um determinado número de pessoas. O que não é muito agradável de admitir, mas querendo ou não, é a realidade!

    ResponderExcluir
  13. Lembremo-nos também do fato de que a nação é uma invenção da burguesia... Esse "lado positivo" do qual a Julia fala é, normalmente, positivo para uma determinada classe social. Qual era efetivamente o projeto de "Cuba Livre" de José Martí? Uma nação para os criollos ou uma nação para os escravos e indígenas que viviam em Cuba? Aí vai uma questão para pensar para a aula de amanhã...

    ResponderExcluir
  14. gabriella barbara, numero1313/05/2009 18:50

    O ideal de José Marti é questionado até hoje, ele lutava por seu país e suas ideias.Morreu e não viu Cuba se 'liberar' da Espanha ( seu ideal).
    Hoje em dia, os EUA está passando por um momento delicado, decidindo se será fechada a base de Guantánamo, ilha de Cuba porém de posse americana. Era necessario um 'José Martí' para que essa base não possuiesse a finalidade que tem hoje. Tomara que tudo acabe bem.

    ResponderExcluir
  15. Luiz Felipe Sigrist numero 21
    Jose Martí era um grande idealista, lutou para tentar libertar sua nação dos domínios da Espanha. Ate hoje crianças cubanas o idolatram, pois ele é um exemplo de homem que lutou para o bem de sua nação.
    Os cubanos buscam a não dominação de sua nação pelo imperialismo norte americano e a partir do momento que os norte americanos intervém nos assuntos cubanos estão exercendo um tipo de dominação.
    Cuba, seguindo um caminho contrario ao americano, sofreu e ainda sofre conseqüências brutais, principalmente sua população, que por causa do embargo econômico, não tem as mesmas possibilidades que os outros.

    ResponderExcluir
  16. Ian 9ºA Nº1313/05/2009 19:06

    Eu acho que José Martí queria de corpo e alma libertar Cuba, pois sem o desejo profundo, é impossível realizar algo. Acho que quando ele morru, estava feliz ao ver que tinha conseguido realizar grande parte de seu sonho. Acho que seu nome ainda é lembrado, por causa de sua forte vontade de libertar seu povo. Para ele, com certeza valeria a pena dar a vida pela liberdade da Espanha. Se ele realmente quisesse libertar Cuba, ele a libertaria.Concordo com a Gabriela quanto ao fato de os EUA terem sido os que mais lucraram no acordo, e que somente ajudaram Cuba a partir de interesses, tais como exploração. Martí não ficaria nada feliz. De certo modo, Cuba continua sobre controle de mais um país (EUA). Mas também não acho que os Cubanos tinham muita escolha. Ou eram colonizados, ou tinham sua ecônomia monopolizada.
    Como a Júlia disse, o mundo está cheio de interesses nos quais não conseguimos deixar de lado e se importar mais com o outro do que com nós mesmos. Mesmo com nossa grande cultura, vivemos todos em um mundo onde nossas vontades falam mais forte, prevalecendo dois individuos: A presa e o predador.

    ResponderExcluir
  17. Mariana C - N 24 - 9º A13/05/2009 19:24

    José Martí lutou por seus ideais, pois queria reduzir os rastros de exploração entre Cuba e Espanha, e morreu lutando por isso. Após sua morte, Cuba tornou-se independente, mas estabeleceu uma forte relação com os Estados Unidos, com a implantação de um governo militar na ilha, que de certo modo foi uma exploração dos Estados Unidos sobre Cuba. Acho que José Martí não gostaria do resultado, pois apesar da indepêndencia, os Estados Unidos acabaram meio que substituindo a Espanha. Mas o fato de José ter lutado pelo que acreditava, e por algo que não faria bem só para ele, e sim para todos de Cuba o faz um ídolo, que merece todo esse mérito.
    Sobre o título do post: "A melhor maneira de ser livre é ser culto", eu concordo, porque a cultura e o acesso à informação nos fazem pensar, e poder questionar, mas somente aquela informação que "enche" de verdade.

    ResponderExcluir
  18. José Martí é, e deve ser respeitado por todos, como um herói, lutou pelo sonho de seu país até o dia de sua morte. Mesmo estando preso no país inimigo, os Estados Unidos.
    Provavelmente, os EUA, querem "ajudar" na "guerra" de Cuba contra a Espanha, para mostrar e exercer o poder que tem sobre todos os países, sobre a América Latina.
    Também tem o interesse em explorar Cuba economicamente, logo depois da conquista da "guerra" contra a Espanha.
    Cuba, provavelmente, não gostam da ideia dos Estados Unidos -principalmente pelo contraste de ideias políticas dos dois países, Cuba socialis e Eua Capitalista- mas que precisam dessa ajuda política, realmente precisam.
    Mesmo os EUA querendo ajudar, acho que essa ajuda não é muito certa.

    Julia N.15 9A

    ResponderExcluir
  19. Rodrigo 9A 3213/05/2009 20:26

    É de fato muito irônica a "ajuda" que os EUA deram para Cuba. A situação de la melhorou muitíssimo... ao invés de colônia espanhola, Cuba virou "colônia" dos EUA! É claro que isso tem melhorado, mas, mesmo assim, até pouco tempo atrás a ilha tinha uma prisão amaricana na qual eles torturavam e matavam, e há ainda o embargo econômico, que mostra como os EUA se acham donos de um dos últimos países socialistas do mundo.
    Quanto a José Martí, acho-o um homem exemplar, que não desistiu de sua pátria nem quando esta estava completamente dominada por outra. Aposto que, se ele tivesse vivido até os EUA "tomarem posse" da ilha, ele seria inimigo letal deles!

    ResponderExcluir
  20. Gustavo nº12 - 9ºA13/05/2009 20:46

    Eu acho que José Martí não escolheria uma nação para um determinado "tipo" de gente, acho, que ele escolheria aquela onde, todo o povo, sem exceção, pudesse conviver junto e sem desigualdade.
    Mas comentando o texto, acho que o que os EUA fizeram não é uma das melhores coisas a se fazer. Aproveitar-se de um país, que não era muito forte, somente para ter beneficios a mais. Mas olhando do ponto d vista americano, o que eles fizeram nao uma uma atitude ruim.
    Achei muito interessante o que José Martí fez, lutar por um pais melhor, mesmo depois de ser deportado dele.

    ResponderExcluir
  21. Renato 9ºA Nº2913/05/2009 20:55

    Gostaria de dizer que não é a toa que José Marti é adorado em seu país pois qualquer um que luta por um ideal sem ser barrado por nada merece.
    Esse tema caí perfeitamente em hoje em dia, pois com essa época marcada pelo capitalismo, ninguém pensa no próximo, apenas olhando para seu próprio umbigo, nenhuma melhor prova que em oposição temos o socialismo que defende muito mais a igualdade social do que gerar capital.
    Algo que comprova isso é a intervenção norte-americana nos assuntos cubanos, pois os EUA só para não deixar Cuba crescer criou o embargo econômico, mas se pensarmos isso não é tão ruim pois preservou o socialismo Cubano.
    Com o aquecimento global e todas as complicações ambientais, se todos no lutarmos pelo nosso ideal com certeza transformaremos o nosso futuro de distopia para utopia

    ResponderExcluir
  22. Carol Simão 9B 0613/05/2009 21:01

    Como todos disseram aí em cima, os cubanos ainda adimiram José Martí, pois foi um homem que sempre acreditou em que seu país um dia iria virar independente, foi um homem que lutou por isso até o fim e foi um homem que lutou por uma coisa que só se realizou depois de sua morte. Mesmo assim ele continua sendo adimirado. É lógico que teve um interesse dos EUA em ajudar Cuba, cada vez mais os EUA foi fazendo acordos com Cuba para sair lucrando, e podemos dizer que foi o páis que mais lucrou com a situação, criando vantágens em cima de sua ajuda. Acho que se Martí ainda estivesse vivo lutaria de novo, pois queria ver seu país independente e não sendo vantagiado pelos Estados Unidos.

    ResponderExcluir
  23. José Martí foi fundamental para que o povo americano pressionasse a comunidade internacional e, principalmente, a Espanha, para reconhecer a independência de Cuba.
    A metodologia americana para com os países mais fracos sempre foi descriminada pelas principais entidades mundiais, mas, no caso de Cuba, principalmente devido a proximidade dos dois países e pelo medo da contaminação do espírito socialista de Fidel, os EUA tive que usar todos os métodos (convencionais ou não) para afastar o socialismo/comunismo do território americano.


    Maria Isabel - 9o ano A - 23

    ResponderExcluir
  24. Rodrigo Batah 9ºA 3113/05/2009 21:55

    O tema abordado na postagem de José Martí é muito importante para a atualidade, e pela a situaçao que estamos vivendo!
    Eu acho importantíssima a intervençao dos Estados Unidos em Cuba, pois Cuba nao tem uma boa infraestrutura, e decisoes tomadas pelos Estados Unidos, podem ajudar Cuba, que nao vive uma boa situaçao! Produtos e tecnologias vindas dos Estados Unidos podem ajudar, e promover uma evoluçao em Cuba!
    Cuba, a partir disso, pode manter contato com outros paises, e obter novas formas e meios de ganhar dinheiro e obter novas formas de informaçao!

    Abrass

    ResponderExcluir
  25. Lucas 9A 2013/05/2009 22:17

    Concordo com tudo o que foi dito até agora...
    Jose Martí, desde de jovem, tinha idéias que iam contra Cuba ser colônia da Espanha e , até o fim de sua vida, lutou contra isso.
    Morreu em 1895, sem ver a Independência realizada, e nos dias atuais é motivo de admiração de praticamente todos os cubanos.
    Os Estados Unidos ajudou Cuba nessa sua luta por independência apenas por interesse, criando bases militares e criando relações comerciais com Cuba para beneficio próprio, em outras palavras podemos dizer que estava explorando Cuba.
    Concordo com a Gabi quando diz que Jose Martí deixou sua marca em Cuba, então posso dizer que mesmo não estando vivo para presenciar seu ideal virando realidade, valeu a pena doar sua vida para atingir esse objetivo.
    Também acho que ela está certa quando diz que liberdade (independência) é algo que todos devemos ter, “não só as nações, como também os indivíduos”.
    Jose Martí nos dá um exemplo de vida lutando até o fim pelo seu ideal...

    ResponderExcluir
  26. Marina Fernandes 9B 3013/05/2009 22:19

    José Martí, é o ídolo dos cubanos, pois lutou de corpo e alma pela a independencia de Cuba, e além de ser deportado, deixou sua marca em seu país por ser um grande lutador. E nessa luta, também teve a participação dos Estados Unidos, que eu acho que foi apenas por interesses econômicos, e até para mostrar que tem poder.
    E na minha opinião,José Martí ao dar sua vida só por um ideal, só fez mostrar mais a paixão que ele têm. Eu o admiro muito, e como a Gabi falou: se ele fosse um brasileiro que lutasse pela independencia do Brasil, eu o idolatraria, que nem os cubanos o idolatram.

    ResponderExcluir
  27. Camila Buazar - 4 9ºA13/05/2009 22:31

    Quando você acredita de verdade em alguma coisa, acho que vale a pena lutar por isso. Talvez não a ponto de dar a vida por uma causa, mas sim viver por um ideal. Será que José Martí teria sido feliz vivendo sem lutar pela independência de seu país?
    Quanto a intervenção americana nos assuntos cubanos, com certeza não era essa a ideia que Martí tinha de liberdade e independência. Intervenção que favorece só um lado - o dos Estados Unidos.
    Me surpreendeu saber que os americanos que tanto pregam a liberdade e a luta contra o terrorismo, ainda mantenham uma base militar em Guantánamo, com prisioneiros de guerra. Me espantou ainda mais descobrir que eles não permitem que a ONU inspecione as condições da base e do tratamento que os prisioneiros recebem.
    Eis aqui mais um exemplo do unilateralismo norte-americano.

    ResponderExcluir
  28. Cami Buazar13/05/2009 22:33

    Maê,
    Adorei te ver no nosso blog.
    Beijos,
    Camila

    ResponderExcluir
  29. José Martí teve uma história de vida voltada para a luta em prol da independência cubana. A força das suas ideias repercutiram mesmo no exílio a nível internacional, o que mostra a força de suas ideias pela pátria, o que mostra a forçaa na divulgação do ideal de independencia da sua patria.
    É uma história de vida admirável, que serve de exemplo até os dias de hoje.
    Quanto a intervenção americana, é sempre negativo a imposição de uma nação sobre outra, os povos são diferentes e tem história e cultura diferentes, que devem ser respeitadas e valorizadas.

    Marcela, Nº22, 9ºano A

    ResponderExcluir
  30. MARIANNA M.-9AN0-A14/05/2009 00:21

    eu vejo a atuacao de Marti como alem da trajetoria de um heroi nao comum porque usou como "armas" a cultura pelos seus contos e artigos que divulgou a tipica cultura de cuba e suas tradicoes e quando exilado ganhou adeptos nos estados unidos tambem.A atitude dos estados unidos mostrou que sua politica de intervencao vem de muito tempo atras e da para perceber que foi importante em cuba tanto para a libertacao da colonizacao espanhola e depois com outro sentido inverso com a criacao do governo militar com a base em guantanamo e que era o simbolo da intervencao expansionista no passado e agora e simbolo de prisao e tortura .

    ResponderExcluir
  31. Mari Trevisan nº. 27 9B14/05/2009 15:20

    Para mim, José marti teve um a atuação praticamente heroica, pois ele nasceu num país colonizado pela Espanha e foi praticamente quem tomou a iniciativa de libertar Cuba. Foi uma pena que ele morreu antes que seu sonho fosse realizado. Sobre os Estados Unidos, acho completamente ridículo intervir do jeito que eles fizeram em Cuba. Afinal, caramba, era só para auxiliá-los, e não dominá-los!

    Os povos são diferentes, e por isso devem ser respeitados. Não foi justa essa intervenção norte-americana.

    ResponderExcluir
  32. Laura (...o nome da aula é...)

    "A melhor maneira de ser livre é ler..."

    é ler, é discutir, é expressar seu pensamento — escrever. Que bom que você têm e usam este espaço democrático de ideias. Adorei os textos! A qualidade da reflexão. Podem levá-los para o portfolio quando quiserem.
    Camila e alunos sou fã de vocês...
    beijos

    ResponderExcluir
  33. Julia Torggler 9A 1615/05/2009 23:01

    José Martí passou sua vida inteira lutando por Cuba e por seus ideais . O tempo mostrou que seus feitos valeram a pena , pois até hoje é um exemplo de homem para os cubanos . Seus atos tiveram consequências internacionais .
    Diz respeito à intervenção norte-americana nos assuntos cubanos , eu acho que não é nada ético . Os EUA realmente tem muito mais poder que Cuba , e o usa de maneira errada , influenciando muitos países , como no embargo econômico.

    ResponderExcluir
  34. Gabriel Simões- 9C (a melhor classe) Número 1219/05/2009 14:48

    José Martí dedicou sua vida para conseguir a liberdade de Cuba, os EUA foram a favor da guerra para libertar Cuba da Espanha. Porém , em troca, os EUA queriam implantar seu sistema de governo, fazendo Cuba ser sua Colônia. Após a guerra, os EUA fizeram o embargo econômico, que atrapalha Cuba até hoje.
    José Martí morreu tentando essa liberdade, foi realmente uma história de vida que nos mostra que devemos lutar pelo o que queremos, mas obviamente devemos pensar antes, pois a morte pode ser uma consequência sobre a luta.
    Cada um tem sua reflexão sobre a vida desse distinto homem.

    ResponderExcluir
  35. Lely 9C N2419/05/2009 18:44

    José Martí lutou e passou a vida à favor da liberdade e independência de Cuba, que era colônia da Espanha. Os Estados Unidos, espertos como sempre, apoiaram a guerra por essa independência cubana e assim foi. Cuba conseguiu uma independência; em partes... Os Estados Unidos ajudaram a ilha a se libertar dos espanhóis mas ao mesmo tempo fez com que Cuba ficasse dependente de seu país. Isso trouxe a liberdade para Cuba pelo lado espanhol, mas os Estados Unidos dificultaram ainda mais a situação: impuseram o embardo econômico, colocando Cuba bem distante do comércio mundial, e construíram ainda Guantánamo. O que pensaria José Martí disso? Enfim, seu desejo se realizou, a ilha cubana livrou-se da colonização espanhola. Mas será que era isso mesmo que ele queria? Livraram-se de um, e veio um outro ainda pior. Será?

    ResponderExcluir
  36. José Martí pode ser considerado um grande ídolo dos cubanos até os dias de hoje, mesmo não vendo os seus ideais pela libertação de Cuba em relação a Espanha serem concretizados. Ele é um exemplo de uma pessoa que não viveu muito, mas que marcou e ainda marca muitas pessoas, devido a sua atuação quando ainda vivo de buscar o melhor para o seu país. Eu penso que os Estados Unidos se aproveitaram de Cuba, auxiliando os cubanos na luta contra a Espanha, pois os EUA não ajudaram porque são bonzinhos e sim porque havia algo por trás disso, havia um interesse de explorar economicamente a ilha e ainda também instalaram a base militar de Guantánamo onde estão presos os maiores terroristas do mundo inteiro.

    9C nº3

    ResponderExcluir
  37. Marina Hadrich Silva 9ºB20/05/2009 17:21

    Gostei muito de saber um pouco sobre a vida de Jose Marti e como lutou para a idependencia de Cuba. Mas achei triste, como as poutras pessoas que comentaram nesse blog, que ele nao conseguio ver o resultado pelo o que lutou.
    Como disseram no comentariode cima, eu acho que os EUA tinha outras intencoes escondida por tras de sua ajuda.
    E agora me refirindo a musica, eu acho-a linda nunca havia entendido a letra da musica, mas agora estudando sobre esse assunto consegui compreende-la bem.
    =D

    ResponderExcluir
  38. Fernanda Carvalho 9c N1120/05/2009 19:45

    José Martí, mais que um heroi para os cubanos, dedicou sua vida à liberdade e independência da ilha de Cuba que fora colônia da Espanha. A atitude dos Estados Unidos em apoiar essa quebra de colônias foi certamente bipolar. O que aparentava ser bom, na realidade não era. Os EUA se aproveitaram de Cuba, no momento em que Cuba deixou de ser colônia da Espanha; implantou o embargo econômico que distanciou Cuba da economia mundial e criou a base militar de Guantánamo.

    ResponderExcluir
  39. Daniel C N 08 9B20/05/2009 20:14

    Na minha opinião, acho que José Martí deve ser lembrado em Cuba pois ele lutava para fazer com que ela se tornasse um país livre. Os EUA ficaram do lado de Cuba contra a Espanha, o país que colonizou Cuba. Mas tinha interesses por trás, e logo depois que Cuba se libertou da Espanha, os EUA se apoderaram da ilha e não permitiram que Cuba comercializasse com outros países do mundo. Criou o embargo econômico e implantou uma base militar em Guantánamo onde ficavam prisioneiros. Assim os EUA tiveram e tem atualmente, um papel semelhante ao da Espanha quando Cuba era ainda sua colônia.

    ResponderExcluir
  40. José Martí, defiitivamente foi um grande homem para Cuba, não sei se ele ficaria feliz com cuba atulmente sei que ficaria feliz por se lembrado como heroi pelas gerações seguintes, posso não achar seus ideais coretos, mas sempre que lembrar dele lembrarei dele como um homem de muita coragem, poi morrer por aquilo que julga certo é uma atitude muito lobre.

    ResponderExcluir
  41. Caio Pantarotto 9ºC Nº0520/05/2009 21:33

    Camila, Colegas e Leitores,
    Queria, primeiramente, dizer que nunca havia ouvido falar deste tão incrível homem que foi José Martí, e então agradecer por tê-lo me apresentado.
    Ele foi cultuado em Cuba como o grande mártir da independência do país em relação à Espanha. Para ele, a luta deveria ser uma verdadeira transformação cubana em todos os aspectos: econômico, político e social. E foi por essa transformação que batalhou e morreu (jovem: apenas 42 anos) tentando.
    Porém creio que a transformação, os "ideais" atingidos não foram os desejados por Martí, afinal, logo em seguida, o país sofreu ocupação militar e domínio econômico norte-americano (a prisão de Guantánamo demonstra esse domínio): 94% da economia cubana dependia do comércio com os EUA, e esses eram os únicos a investir em Cuba: hotéis, cassinos e beneficiamento de cana-de-açúcar. Acredito que não foi essa "transformação" que José queria para Cuba, muito menos esses problemas econômicos (embargo) e políticos pela qual ela passa hoje. Como já foi dito: Cuba deixou de ser uma colônia espanhola, e passou a ser uma "americana". Com certeza, os seus sonhos não foram "alcançados", como dito na frase: "Los sueños de hoy serán las realidades de mañana."
    Quanto à música: essencial a existência de uma tão boa para um homem tão importante.
    Abraços

    ResponderExcluir
  42. Mahya 9ºB nº2520/05/2009 21:48

    Primeiramente eu gostaria de dizer que eu acho que vale a pena doar a vida por uma causa ou um ideal, no caso de José Martí eu acho que havia uma urgência em deflagrar a guerra contra os espanhóis, devia-se ao medo de que a força imperialista norte-americana fizesse o mesmo, conquistando Cuba, devido ao interesse comercial e por considerarem a conquista da ilha como a chave para dominarem as Américas Central e do Sul. Acho que valeu a pena para ele ter morrido por isso, e que ele ficaria feliz por ver o seu país independente, mas de forma alguma ele iria aprovar o rumo que Cuba tomou. Ele foi um importante escritor, poeta e jornalista cubano nascido em Havana, revolucionário e herói na independência de seu país. Passou a preparar a revolução em Cuba, em Nova York. Fundou o Partido Revolucionário Cubano (1892) e um jornal, Patria, para promover a revolução. Em 30 de janeiro (1895) partiu para promover a insurreição em Cuba. Iniciou a invasão da ilha juntamente com o ínfimo contingente de cerca de 30 homens armados com carabinas e, durante combate contra as tropas reais morreu. Eu na verdade concordo totalmente quando a Gabriela diz: “a intervenção norte americana foi um modo dos EUA se aproveitarem de Cuba, pois deixariam de ser colônia da Espanha, porém teriam que se 'entregar' para os EUA”. Porque os EUA não iriam querer ajudar Cuba se eles não fossem sair lucrando. E foi exatamente isso que ocorreu, Cuba hoje em dia, ao meu ponto de vista não é mais independente, ela é dependente dos EUA. É isso.

    ResponderExcluir
  43. Bárbara Stiubiener Abrahao20/05/2009 23:27

    José Martí com sua valente historia ate hoje inspira geraçoes e geraçoes,quem sabe ate Jose Martin tenha inspirados os revolucionarios de Cuba.Ele e um exemplo de viver,um exemplo de homem que luta por sua naçao e a louva ate o fim.
    Sobre a intervençao dos Estados Unidos nos outros paises mundo a fora,acho uma invasão.Cada pais tem o completo direito de ser livre e cada naçao deve defender-se da maneira que achar mais digna.O Governo Americano por ter muito poder se aproveita dos paises como se eles fossem(de uma certa maneira)"menos" que os tais,oque ao meu ver e algo desrespeitoso a nós,integrantes de outras 'comunidades'.

    ResponderExcluir
  44. louis Ferraz 9A 1921/05/2009 10:20

    José Martin é um bom homem,pois lutou por sua patria ate o fim,porem nao conseguio liberta-la do rival Estados Unidos,assim inspirando as proximas gerçoes que o seguiram.
    Eu acho que é uma invaçao de privacidade o Governo Amaricano achar que tem o direito de invadir uma naçao dessa maneira.
    José Martin morreu.Ele teve a grande sorte de ser sucedido por outros revolucionarios que tiveram a honra de libertar Cuba dessa falta de humanidade americana.

    ResponderExcluir